quarta-feira, 14 de setembro de 2022

Sinuca de bico

Mexeu com muita gente a notícia de que a rotina do influenciador digital Arturo Medeiros, 36, e de suas oito mulheres, teria mudado depois que a mansão onde moram, na Paraíba, foi alvo de vandalismo por causa do estilo de vida que experimentam. 

 

Reprodução/Redes Sociais

Para evitar novos ataques, Arthur, O Urso 
 como ele, que diz manter cerca de 30 relações sexuais por semana, se apresenta nas redes sociais e no OnlyFans  mandou instalar câmeras e cerca elétrica no imóvel e contratou seguranças particulares. 

Ao saber disso, Natália, 41, filha de um velho conhecido meu, confidenciou à sogra Dolores, 63, que nada ultimamente a abala mais do que essas histórias de pessoas que decidiram abrir seus relacionamentos a uma nova disposição geométrica.

 Você me entende, né?  indaga a nora.

 Claro, Nat! Tudo muda o tempo todo no mundo…

 Seu filho, machista que só, tá chateado comigo!

 

As duas de biquíni à beira-mar, pé na areia, caipirinha, água de coco e cervejinha, aguardavam Gustavo, 43 (que surfava com alguns amigos um pouco mais adiante), marido de Natália, para almoçarem naquela preguiçosa tarde de sábado. 

 Acontece com a maioria dos animais  diz Leonor, especulando sobre o que se passava com o casal querido. Nos primórdios da humanidade, homens e mulheres faziam sexo e procriavam com diversas parceiras e parceiros. 

 Devia dar uma confusão medonha, né Dô?! 

 De forma alguma! Não violava princípios morais. Só era difícil se ter certeza sobre a origem de um filho, a não ser pela linhagem materna. 

 

Apesar de ter abandonado a faculdade de Economia no quarto semestre, por causa de uma gravidez de risco, Natália engolia livros e mais livros sobre a história do pensamento econômico. 

 

Dolores, psicanalista tarimbada, esbanjava conhecimento sobre uma época em que ainda não se falava em teste de DNA ou pagamento de pensão alimentícia como mecanismos de resfriamento do tesão. “Não havia exclusividade nas relações, nem se tinha certeza de quem era pai de quem”, pontuava. 

 Jura?! 

 Veja, Nat, a pessoa que defendesse a monogamia como o padrão de comportamento corria o risco de ser condenada por atentar contra os valores da família.

 Pois é... Mas devem ter notado que era mais negócio confinar-se num cercadinho e dali mesmo tirar o sustento, em vez de passar a vida pulando de galho em galho, garimpando como, quando, quem ou o que comer e beber... 

 No meu tempo  puxava a sogra outra linha do novelo , o máximo que se falava era de amor livre, nome dado pelos hippies a sexo recreativo entre pessoas não envolvidas por amor e paixão. Logo depois apareceu a amizade colorida, a partir do movimento friends with benefits, onde também não havia vínculo afetivo nas relações. 

 Quem sabe, Dô, vem daí essa coisa de propriedade privada e um modelo de família compatível com um sistema de acumulação de riquezas. Era só fechar a porteira e garantir o usufruto indivisível de riquezas apenas com os filhos. 

 Isso, Nat! A monogamia foi a base da primeira forma de família não concebida em condições de prazer e luxúria, e sim por imposição econômica.

 Será? 

 

Dolores se anima com o papo, pega o celular e vasculha a internet em busca de mais elementos para sustentar suas teses. E, minutos depois, pausadamente lê algo que julga interessante compartilhar com Natália:  

 

“[...] Com as dificuldades econômicas, hoje em dia as variações ganharam novos arranjos, para os quais surgiram alguns novos conceitos: 

Metamor  O amor do meu amor. É uma pessoa com quem o meu amor se relaciona, mas que não tem relações comigo.

Poliamor  Modelo sexo-afetivo não-monogâmico em que as pessoas envolvidas têm sentimentos profundos. Envolvem várias pessoas, com o consentimento e o conhecimento de todas. Alguns desses relacionamentos possuem nomes geométricos.

Polécula  Molécula poliamorosa. Representação geométrica de redes como a relação em V, o triângulo e o quadrado etc.

Trisal  É uma configuração do poliamor envolvendo três pessoas.

Trisal em V  Formato mais comum quando os poliamoristas são heterossexuais. Um dos membros mantém relacionamento com os outros dois, mas esses dois não têm relação entre si. Nesse caso, o vértice do V é chamado de pivô e as extremidades são conhecidas como braços. Cada braço é o metamor do outro. 

Trisal em triângulo  Cada membro está relacionado com os outros dois. Cada metamor é também amor do outro [...]”.



Natália, que escutava em silêncio, bebe outro gole, enxuga com a língua a espuma sobre o lábio superior, retoma o ponto de partida da conversa e transporta a sogra para a mesma página de seu caso particular:

 Pois é, Dô, o machista de “seu” filho Gugu irritou-se comigo...

 Por que, Nat?

 Diz ele que a ideia de incluir outra pessoa no nosso relacionamento partiu de alguém que perguntou se teria coragem de ficar com mais de uma. Que nunca pensou no assunto, mas ficou interessado. Tanto que, ao chegar em casa, quis logo saber a minha opinião.

 E você?

 Na hora, não vou mentir, fiquei tiririca da vida, Dô! São mais de 20 anos só nós dois dividindo a mesma cama… Depois, até admiti, mas desde que a terceira pessoa fosse amiga dos dois. Aí Gugu ficou puto com minha sugestão... 

 Eu conheço?

 Talvez... 

 Quem é?

 Ubirajara. O Bira Jumentinho.

 

22 comentários:

  1. Meu amigo, você navega com maestria também pelos mares imprevisíveis dos relacionamentos amorosos e suas modernidades ! Magnífica a crônica e o surpreendente final ! Parabéns !

    ResponderExcluir
  2. DEBORATH DE ALMEIDA14 de setembro de 2022 06:13

    Eu continuo a concordar com Lulu Santos de que toda forma de amor vale a pena. O ser humano é plural e não pode ser encaixado no que se convenciona. Cada um tem o seu jeito, a sua intensidade e as preferências de amor e sexo. Isso só deve interessar aos envolvidos na relação, seja ela em que configuração for. Eu acredito que todos nós, por natureza, somos capazes de vivermos qualquer tipo de relação, mas estamos impregnados de tantos preconceitos impostos por padrões morais, influenciados por interesses econômicos, que nem nos permitimos pensar e, muito menos, experimentar algo além do convencionalmente aceitável. Por isso, sou muito fã dessa nova geração corajosa que enfrenta esses padrões, se arrisca e experimenta e só quer é ser feliz.

    ResponderExcluir
  3. Eu ri alto aqui. Talvez seja esse o limite do liberalismo: tudo pode, desde que não seja com o Bira. Dedé Dwight

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este é o ponto, Dedé: por que o macho parental segue desprezando o que sente ou tem a dizer as fêmeas? O mais importante é a taxa de cobertura do garanhão? Na “festinha” dele, tudo é possível, desde que “Bira” não apareça?

      Excluir
  4. Talvez seja o caso de buscarmos nas experiências do passado, exatamente no formato que escolhiam os times: Cada um escolhe, a ordem disputada no ímpar ou par.

    ResponderExcluir
  5. Por muito menos a Diana mandou o Charles pros recantos da Cornualia. Segundo ela tinha gente demais dividindo a mesma cama. E eram apenas três.
    E nem era o Bira jumentinho.
    .
    Nessa área sou um atraso total. Dois já é gente demais numa relação.
    .
    Oitavo.

    ResponderExcluir
  6. Sensacional a crônica: informa e provoca na mesma intensidade!
    Acredito que o mais importante nesta área é o seguinte: cada um ou cada “equipe” (casal, trisal, poliedro) deve poder escolher sua forma de amar e de se relacionar. Não podem impor modelo nenhum a ninguém e nem ser tolhidos nas suas escolhas. O que vale são os consensos que vão sendo construídos. E eventualmente desconstruídos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como se escrevia nas Avaliações de Reação do DESED, "concordo totalmente", com você, Serginho, na avaliação da crônica (informativa e provocativa) e nas escolhas que cada pessoa pode fazer no que diz respeito a relacionamentos e suas implicações. Grande abraço. Andreola

      Excluir
  7. Muito boa crônica que leva a pensar sobre a evolução da sexualidade sem sensualidade.
    Invertida, revertida, pervertida.
    Hoje não sabem o que buscam.
    Prazer?
    Que tipo de prazer?
    Ao final do ato, o vazio...ocupado com arrependimento. Após, à frustração invade o ser.
    E a busca continua.
    Na involução sexual.

    ResponderExcluir
  8. Kkkkkkkkkkkkk! Hilário!!! Rindo até 2048….

    ResponderExcluir
  9. Bom Dia... De fato, a crônica de hoje está mexendo com "regras", instintos, sentimentos e tudo mais que a memória possa alcançar... Tem tudo a ver com a ciência econômica ou, talvez, com a sobrevivência humana. Mas, quando bate aquela dose anormal de ciúme, as relações começam a exibir seus pontos fracos e, a partir daí, o colapso se avizinha... Forte abraço.

    ResponderExcluir
  10. Hahahahahahaha
    Aí, realmente, não pode!

    ResponderExcluir
  11. Kkkkkkk tô me perguntando sobre o apelido do Bira. Ótimo "grand finale" .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo leva a crer que o apelido não se refere à ausência de dotes intelectuais do amigo do casal, não é mesmo?

      Excluir
  12. ABEL DE OLIVEIRA MAGALHAES14 de setembro de 2022 19:51

    Mais um objetivo alcançado. Parabéns pela conquista.

    ResponderExcluir
  13. Adorei! Que texto bem temperado e saboroso! Além de bem humorado e de final surpreendente! Nosso amigo escritor se supera a cada semana!

    ResponderExcluir
  14. Pra navegar, preciso é soltar as amarras.

    ResponderExcluir
  15. A mulher fingiu-se de displicente ante a proposta, mas lembrou logo do "Bira jumentinho" hahaha. Qual seria a causa do apelido?????

    ResponderExcluir
  16. 😳😳😳😂😂😂

    ResponderExcluir
  17. Já postei aqui mais de uma vez, não há tema, de parto a atracação de navio, sobre o qual você não discorra, mais que com proficiência, com brilhantismo até.
    Agora você entra num campo melindroso - pra ser só cuidadoso aqui - e discorre sobre ele como se até frequentasse o grupo. E o faz com brilhantismo, como sempre.
    Confesso que sinto comichões pra lhe sugerir alguns temas, mas por enquanto prefiro lhe preservar...

    ResponderExcluir