quarta-feira, 17 de julho de 2024

A vida é mesmo muito frágil

Aos 61 anos, Nando Reis continua um dos grandes personagens da música brasileira. Suas canções, imortalizadas por bandas como Titãs, Skank e Jota Quest, além da parceria inesquecível com Cássia Eller, destacam-se por letras enigmáticas e instigantes. Tanto que mantém um canal no YouTube para explicar suas letras.


 

Fui apresentado a ele há 20 anos, nos bastidores do Multiplace Mais, em Meaípe, Guarapari (ES), após um show memorável. "Parabéns, Nando, foi espetacular!" – cumprimentei. E aquela figura humilde e insegura me perguntou baixinho: "Você gostou mesmo?"

 

Na noite anterior, ele não conseguiu terminar a segunda música, praticamente desfalecendo no palco, sob vaias de um público estimado em três mil pessoas. Uma banda local teve que substituí-lo para acalmar a plateia.

 


Recentemente, no programa Maria vai com os Outros do Canal UOL, direto de sua casa em São Paulo, Nando expressou o desejo de viver até os 104 anos: "Quero viver mais de 100. Claro que com lucidez e saúde. Tenho 60, e desperdicei muito tempo bebendo e cheirando. Preciso compensar esse tempo perdido."

 

Eu não tenho mais a cara que eu tinha, Nando, mas posso me adaptar. Bancário aposentado, 66 anos, minha ambição é um pouco mais modesta. Se chegar consciente e bem-humorado aos 88, ficarei satisfeito. Não usei cocaína ou outras drogas pesadas, mas gostava de beber e de fumar. Cada encontro com amigos, cada gole, cada trago, foi um momento vivido em sua plenitude. Não seria honesto, de minha parte, pedir reposição por algo tão bem aproveitado.

 

Nando agora se cuida para alcançar sua meta, equilibrando suas alegrias e contradições. Em depoimento à revista Piauí, no ano passado, ele se identificou como alcoólatra e falou sobre seus oito anos de sobriedade, motivado a recuperar o tempo possível.

 

Dei mais sorte. Tive outros vícios imperdoáveis, considerados lícitos, como trabalhar inclusive nos feriados e fins de semana. Ainda assim, fiz o possível para estar com minha mulher e meus filhos, e reconheço que o preço não foi tão alto para lidar com a ansiedade e a presunção do dever cumprido.

 

A qualidade de vida que Nando leva hoje o faz refletir: "A angústia que tenho, com a tristeza e tudo mais, me faz querer viver bem... Eu me cuido para viver bem. Adoro a vida, quero viver muito. Tenho projetos, quero ver meus netos crescerem. Por isso me angustia ver o planeta ser destruído."

 

Quem não sonha ver os netos crescerem e se preocupa com os rumos da humanidade? Lembro do que previu o falecido empresário Antonio Ermírio de Moraes, há alguns anos: “nossos netos e bisnetos viverão num crescimento perigosamente desequilibrado, com dois terços do planeta em nações pobres”.

 

A preocupação com o meio ambiente levou Nando a investir num projeto de reflorestamento na fazenda herdada do avô, no interior de São Paulo, sua forma de dar visibilidade a uma causa importante e manter seu vínculo com a natureza.

 

Sorte a dele! Meus avós não puderam me deixar um pedacinho de terra sequer para investir num projeto de reflorestamento. Mas deve existir outras formas de promover a preservação ambiental. Escrever sobre o assunto pode ser uma delas.

 

"Sou apegado aos meus filhos e netos, quero vê-los se casar, quero ver as árvores que plantei em Jaú crescerem. Quero ver meu projeto de reflorestamento. [...] Quero muita coisa”, pontuou Nando.

 

Quem de nós, Nando, com mais de 60 anos, não deseja ver os netos casarem e a vida fluir como um rio rumo ao mar? Quem não teme por eles "quando o segundo sol chegar, realinhando as órbitas dos planetas", como você nos alerta há tempos. Essa história de aquecimento global anda queimando inclusive o nosso juízo e não dá sossego a ninguém. 

 

Você diz que sua meta de viver mais de cem anos é uma forte e constante confirmação de seu desejo: “...É quase uma piada. Gosto de ser enfático e provocativo, mas é meu propósito”.

 

Você tem razão, Nando, quando canta em “Por onde andei” que “a vida é mesmo coisa muito frágil, uma bobagem, uma irrelevância, diante da eternidade, do amor de quem se ama”. Ou ao pedir em “Sutilmente”, composta com Samuel Rosa, que “quando estiver triste, simplesmente me abrace... Quando estiver fogo, suavemente se encaixe... Mas quando eu estiver morto, suplico que não me mate de dentro de ti...”.

 

Se eu tivesse um terço da sua habilidade de compor e cantar, talvez fizesse um requerimento (não em papel timbrado, com firma reconhecida e sob carimbo identificador!) ao proprietário do tempo – fonte de onde tudo emana e para onde tudo se encaminha – pedindo a prorrogação do jogo.

 

Como não tenho, Nando, se chegar lúcido e rindo de mim mesmo aos 88 anos, contando histórias e podendo beber uma taça de vinho ouvindo suas canções, vou-me embora numa boa. Sem queixas. 

quarta-feira, 10 de julho de 2024

Nao dá pra esconder

Há duas semanas, uma cantora pernambucana interrompeu um show em Mossoró, no Rio Grande do Norte, por um motivo insólito: um pum afastou parte do público da frente do palco durante a festa de São João na cidade. Após notar a dispersão, a artista brincou: "Pensei que fosse uma briga, mas soltaram um peido aí, foi? Tá podre mesmo. Carniça!". E compartilhou em suas redes sociais: "Já parei o show por vários motivos, mas por causa de um peido foi a primeira vez".


Essa situação inusitada me fez lembrar de um velho amigo, poeta matuto paraibano que vive "defendendo sua poesia a golpes de declamações por todo o Brasil em tons solenes e brincativos", como ele mesmo diz, a quem manifestei minha preocupação de vê-lo nessas aglomerações juninas regadas a comidas à base de milho verde, manteiga e leite de coco. 

Ele me tranquilizou ao explicar que, no caso de suas geniais apresentações, um pum pode mudar de um lado pro outro sem maiores consequências para o recital ou para o efeito estufa (camada de gases que envolve o planeta). “Se tem uma coisa que não se esconde é paixão, febre e catinga de peido”, pontuou.

A ocorrência também me fez recordar dos dias que sucederam o enterro de meu pai, há mais de meio século, quando minha mãe, que até hoje morre de medo de alma penada, convocou os nove filhos a dormirem ao lado dela, espalhados em colchonetes pelo quarto de casal. 

Na terceira noite, após rezar o terço pelas almas do purgatório e a luz ser apagada, um de meus irmãos libertou uma daquelas ventosidades silenciosas que fazem os olhos lacrimejarem e queimam os pelos das narinas dos circunstantes. Nem ele mesmo suportou o ambiente insalubre e se entregou nas justificativas: 

– Mamãe, acho que aquele cuscuz com graxa de galinha no jantar me fez mal... 

– Deixe de conversa! Onde já se viu cuscuz fazer mal a ninguém? Tu tá é podre, miserável! Saia daqui agora e vá dormir lá na sala! – sentenciou, tapando o nariz e levantando-se aos engulhos para abrir janela e porta do quarto.

Esses momentos burlescos escondem uma realidade mais séria sobre os gases que emitimos. Todo animal, inclusive os racionais, produz gases intestinais. Estudos mostram que um humano adulto pode liberar gases até 20 vezes por dia. A libertação de um flato na atmosfera decorre de reações químicas promovidas pelas bactérias que atuam nos intestinos, intensificadas por alimentos como feijão, ovo e repolho. Apesar de ser um processo natural, o "efeito bufa" dos outros é insuportável, especialmente em espaços fechados.

Mas a questão vai além do desconforto imediato. A produção mundial de carne tem uma responsabilidade significativa na emissão de gases do efeito estufa, superando até a quantidade de gases emitidos pelos automóveis. A digestão dos animais libera metano (CH4) na atmosfera, um gás com um potencial de aquecimento global cerca de 25 vezes maior que o do dióxido de carbono (CO2), resultante da queima de combustíveis fósseis.

Ilustração: Uilson Morais (Umor)

Circula na internet, inclusive, a notícia de que a Dinamarca vai tributar pecuaristas pelos gases de efeito estufa emitidos por seus animais. A medida, acordada entre agricultores, indústria, sindicatos e grupos ambientais, ainda aguarda aprovação parlamentar, mas promete revolucionar a política climática do país. Enquanto especialistas dinamarqueses calculam os impostos, os criadores de bois, ovelhas e porcos terão de pagar 300 coroas (aproximadamente R$ 237) por tonelada de dióxido de carbono equivalente. O valor subirá para 750 coroas (R$ 592) até 2035, com direito a uma dedução fiscal de Imposto de Renda de 60%.

Apesar de se falar muito de CO2, o metano, principal gás emitido pelos animais, preocupa mais pelo seu potencial de aquecimento do planeta. Responsável por 32% das emissões de metano, o setor pecuário se destaca no centro na agenda ambiental global.

Assim, seja no palco em Mossoró, na casa de minha mãe ou nos campos da Dinamarca, o impacto dos gases emitidos pelos viventes, embora muitas vezes encarado com humor, constitui uma ameaça que não pode ser desprezada. 

O pum que dispersou o público em um show ou a bufa silenciosa que causou risos e desconforto em família, ambos são lembretes de nossa natureza animal. Contudo, é importante não perder de vista que esses mesmos gases contribuem para um problema ambiental grave.

Portanto, enquanto brincamos sobre a carniça no São João ou debatemos políticas ambientais na Europa, não podemos esquecer que cada disparo, por mais engraçado que seja, tem um papel crucial na preservação da vida no planeta. Diminuir o consumo de carne e optar por dietas mais sustentáveis são maneiras de cada um de nós contribuir para a redução dos gases de efeito estufa.

Como o poeta diz que, "se tem uma coisa que não se esconde é paixão, febre e catinga de peido", talvez esteja na hora de não escondermos também a seriedade do impacto que cada um de nós pode causar ao meio ambiente, legando para as próximas gerações um planeta melhor. E mais cheiroso.


quarta-feira, 3 de julho de 2024

Galope do tempo

Outro dia, um amigo me mandou uma fotografia de três décadas atrás fazendo uma ressalva que me deixou apreensivo: “Cá pra nós, não estou me dando muito bem com o galope do tempo. Custei a vergar, mas ultimamente...”

Curioso, perguntei sobre a amplitude do “ultimamente” mencionado. Disse-me, no seu gauchês, que é só “o somatório de várias constatações nos últimos tempos: Correr todo duro, sem qualquer molejo; tontear ao abaixar; ficar ofegante a partir do quinto degrau de uma escada; não aguentar mais uma churrascada como antes; querer dormir mais que a cama; esquecimentos frequentes... Isso sem falar da necessidade dos ‘azulzinhos’ para qualquer saliência com minha deusa morena...”

Exagerou, sem dúvida! Aos 68 anos, continua o brincalhão debochado, sarcástico, tocando seu trombone maravilhoso e provocando Deus e o mundo, como quando citou Woody Allen em nossa conversa: “Não é que eu tenha medo de morrer; é que não quero estar lá na hora que isso acontecer.”


Ele sabe que a possibilidade de vida eterna só nos traria problemas, isso sem falar nos transtornos que seria para os nossos planos de saúde e de previdência complementar. O “fim da aventura” sempre foi uma angústia humana, mas serve também de consolo, pois nos desobriga de refletir sobre a dúvida de Caetano Veloso: “Existirmos: a que será que se destina?”.

A crença na vida após a morte, portanto, tem seu lado interessante porque admite a eternidade sem as dúvidas, já que é pouco provável que as divagações metafísicas continuem no outro plano. Lá, sem a necessidade de morrer novamente (exceto para os que acreditam em sucessivas reencarnações), não tem o que especular sobre como toda essa bagunça que reina por aqui um dia vai acabar. 

Resolvi então provocar meu amigo utilizando um tom coloquial, mas explorando conceitos complexos sobre o tempo. Perguntei: você sabe o que é o tempo? Não parece, mas a física moderna revela que o tempo, em grande parte, é apenas uma ilusão – alertei-o.

Não me respondeu até agora. Se o fizer, pretendo recomendar algo bastante simples: imagine que seu relógio em casa marca 7h quando você sai para caminhar e 8h quando retorna. Parece que uma hora se passou, mas na verdade, como você se movimentou, o tempo para você foi um pouquinho mais curto. Uma diferença imperceptível, mas real, como Einstein mostrou. O tempo não é universal; ele é pessoal. Cada um de nós vive sua própria versão. Sentimos o tempo passar, mas essa sensação é mais psicológica.

Essas reflexões sobre o tempo me fizeram lembrar de uma manhã, muitos anos atrás, caminhando à beira-mar. Encontrei uma senhora, no auge de seus 70 anos, usando uma bandana e uma blusa onde estava escrito: “A velhice é uma conquista.” Isso me fez pensar em quantas pessoas não chegam a conquistar essa medalha, muitas vezes derrotadas por um gol contra do destino, como uma complicação besta de uma virose de inverno.

Desde então, interessei-me por envelhecer compartilhando memórias, inclusive as minhas mais doloridas lembranças. E se um dia os neurônios vacilarem – engolidos pelas sombras do esquecimento –, espero que as pessoas que ouviram guardem minhas palavras, distorcidas ou não pelos filtros de meu ego, na versão que lhes contei.

Conto também que jamais perderei a capacidade de engolir seco, de travar a garganta diante das coisas mais banais do noticiário – como uma mãe que agradece a chance de poder catar restos de comida no lixão –, nem tampouco a capacidade de aceitar minhas contradições e meus medos. 

E tenho repetido a mim mesmo que seguirei garimpando velhas e novas preciosidades pelos caminhos que trilhar, sendo menos ranzinza e mais bem-humorado, ácido quando for necessário e, na medida do possível, senhor de minhas vontades. Se não der, que me seja concedido aceitar as limitações impostas pela fragilidade da condição humana.

Já se passou uma semana e meu amigo ainda não respondeu à minha provocação. Talvez ele mesmo tenha se perdido nas suas reflexões ou simplesmente decidido ignorar minhas teorias sobre o tempo. Pensando bem, talvez seja melhor não esticar a conversa. Ou dizer a ele apenas para esquecer essa coisa do “somatório de várias constatações”. 

Afinal, chega uma hora em que começamos a pensar no que dirão no nosso velório, sem que nada possamos fazer a não ser olhar para trás e ver não o que perdemos, mas tudo o que ganhamos ao longo da jornada, com gratidão pelas memórias que construímos, pelas risadas que compartilhamos e até pelas lágrimas que derramamos.

E que possamos seguir em frente, mas reconhecendo a inutilidade de espernear contra o indomável galope do tempo.