sexta-feira, 26 de abril de 2019

Pode entrar que casa é sua!

Terto negou até seus últimos dias que teria visto de perto o assassinato a tiros de um colega de trabalho em pleno expediente, sem esboçar qualquer reação, prosseguindo em suas tarefas de rotina como se nada tivesse acontecido. 

Dizia que não foi bem assim. Não reagiu porque tomou um susto enorme quando deu de cara com o homicida ensandecido, arma na mão, ameaçando todo o mundo aos gritos, e temeu ser a próxima vítima.

Isso aconteceu na metade do século passado, na agência do Banco do Brasil em União dos Palmares, a 70 km da capital alagoana. Naquela época, alguns conflitos do mundo corporativo ainda eram resolvidos à bala ou na ponta da peixeira.

A lenda criada em torno do assunto já dura mais de meio século e tudo não passou de conversa fiada de quem, ao vê-lo sempre concentrado naquilo que fazia, espalhou que continuara datilografando partidas contábeis, alheio aos disparos à queima-roupa e ao corpo ali estendido no chão.

Antonio Tertulino Vieira, simplesmente Tonho ou Terto (no trabalho), sempre foi muito generoso e modesto desde criança, em Quixeramobim, Sertão cearense.  Tanto que o pai abria mão de sua ajuda no balcão do armazém da família porque várias vezes ele dispensara parte do pagamento de quixeramobinenses mais necessitados que não dispunham de todo o dinheiro para a compra. 

Acabou ouvindo o conselho materno e ingressou no Seminário Diocesano de Quixadá, lá próximo de casa, onde chegou a usar batina e quase foi ordenado padre. Ainda bem que percebeu a tempo que sua carne era fraca e destoava do sacerdócio exigido pela Igreja Católica. Resolveu então prestar concurso para o Banco do Brasil, sendo aprovado com louvor.

Iria assumir seu primeiro emprego na agência de Palmares, Zona da Mata de Pernambuco, em meados de 1945. Distraído, porém, comprou passagens e pegou o trem para União dos Palmares, no vizinho estado de Alagoas, onde o gerente, com o quadro de pessoal desfalcado, cuidou de convencer a direção do banco a deixá-lo por lá mesmo.

Pouco depois conheceria Madalena Veras, que havia rompido seu sexto noivado. Com ele deu tudo certo. Não se sabe se a vida celibatária precipitou os acontecimentos, mas é fato que rapidamente casaram e em oito anos formavam uma família com mais três filhos  — João, Fátima e Magdala, a caçula, minha futura mulher. 

Desapegado de bens materiais e sem maiores ambições no trabalho, Terto nunca quis nem buscou cargos ou poder. Não aprendera, como muita gente, a ser dissimulado, implacável ou manipulador. Foram 30 anos como simples escriturário até aposentar em agosto de 1975.

O carinho da família, a alimentação equilibrada, a missa nas tardes de sábado, as gargalhadas com Os Trapalhões nas noites de domingo, a prosa com cães e gatos da vizinhança e o lenço impecavelmente branco para assoar o nariz ou enxugar o suor do rosto, eram bastantes para deixá-lo de bem e em paz com a vida.

Depois que aposentou, alguns amigos juravam que não sobreviveria muito tempo, habituado que estava à rotina de trabalho. Contrariando a todos, já vinha costurando em silêncio projeto arrojado: dar vida ao solo arenoso dos arredores da casa na Rua Goiás, 421, no Farol, a partir da reciclagem do lixo orgânico ali produzido desde 1970.

Em pouco tempo oferecia a netos: cocos-da-baía, carambolas, goiabas, jambos e pitangas. Para não falar das roseiras e dos antúrios à sombra do imenso pé de piriquiti no jardim. Nem dos filhotes de cágados que,  distraídos como ele, passeavam entre as plantas a cada primeira trovoada do ano.

Netos agora adultos reconhecem que se tratava de um legítimo avô-raiz.  Longe da vigilância dos olhos da avó, consentia pequenos delitos como alimentar animais, trepar na goiabeira, tomar banho na chuva ou acender fogueiras quando chegavam as festas juninas.

Aos 86 anos, faleceu enquanto dormia numa manhã de agosto de 2005, três décadas depois de aposentado. No seu sepultamento, tinha o rosto suave de quem fez quase tudo o que gostaria de ter feito na vida. Era um passarinho voando no rumo do céu. 

Se visse a cena como eu, o poeta Manuel Bandeira (1886 — 1968)  assim diria:


Terto distraído, 
Terto leve,
Terto sempre de bom humor. 

Imagino Terto entrando no céu: 
— Licença, meu santo! 
E São Pedro bonachão: 
— Entra, Tertinho. Você não precisa pedir licença.



60 comentários:

  1. Bela história. Suas crônicas estão cada uma melhor que a outra.

    ResponderExcluir
  2. ADOROOOOOOOO, suas crônicas , principalmente qdo retrata a família!!!!
    Fantástico!!!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns!!!! crônicas maravilhosas!!!!

    ResponderExcluir
  4. Tuas histórias de vida, narradas dessa forma, são muito bacanas de ler, Hayton. Show!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Magdala. Agora dei uma volta ao passado. E lembrei nitidamente Sr.Antonio. um ser de luz. Puro inocente. Sempre tranquilo.Foi ser mais um anjinho no céu.. Saudades daqueles tempos. Bjs

      Excluir
    2. Magdala. Essa unknown. Sou eu.. Ângela maciel. É q não sei muito net. E esse nome aí. Não sei como apareceu. Bjs

      Excluir
  5. Olhos cheios d’água ao lembrar do vô.
    Eu sempre achei que ele era de outro planeta. Pela gratidão, transformava tudo o que tinha em suficiente.
    Obrigado por reviver a memória.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E quem lhe falou que ele era deste planeta, meu filho? O barro de que ele era feito não existe na Terra. Fomos felizes em tê-lo ao nosso lado quando andou por aqui...

      Excluir
  6. Cada palavra uma foto, cada frase um filme assim são suas crônicas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Ademar. Uma boa imagem dispensa até legenda. Fala por si só.

      Excluir
  7. Literalmente Deus escreve certo por linhas tortas...

    ResponderExcluir
  8. Muito relembrar as historias do meu avô, ele sempre foi muito amado!!

    ResponderExcluir
  9. Que história incrível, errar o estado onde deveria tomar posse, e ali ficar e encontrar seu grande amor, construir uma família e viver uma vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser por isso, Mário, que dizem que "enquanto os homens planejam, Deus dá risadas".

      Excluir
  10. Mais um texto impecável! Quem conheceu o protagonista, sabe que se trata de um anjo que caiu do céu, razão pela qual não precisou se identificar quando de seu retorno à casa do PAI. Parabéns!
    Agostinho Torres.

    ResponderExcluir
  11. lindo texto. Meu avô Paulo, seu Paneco, era um seu Terto na visa. Sapateiro de primeira, adorado pelos netos, respeitado em toda cidade de Torres RS, não havia quem nào gostasse dele. A única coisa que talvez se pudesse falar dele era que era colorado demais, tanto que torceu contra o Brasil em 70 porque o lateral era Everaldo, então jogador do Grêmio kkk.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só fazê-lo lembrar de Seu Paneco com tanto carinho já valeu a pena ter publicado a crônica, meu amigo. Essas figuras precisam estar mais presentes em nossa vida para que a esperança no ser humano não se perca entre nós.

      Excluir
  12. Delicioso como o texto começa em close numa cena de BIP da vida bancária, para mergulhar numa história de vida tão fascinante. Quanta sabedoria neste homem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sábio mesmo, Dedé. Nunca deixou virar adulto a criança que havia dentro dele. Por isso tanta saudade por parte dos netos.

      Excluir
  13. Providência divina.
    Tem dedo de Deus em todo canto.
    Imagina se ele não tivesse largado a batina e pego a condução errada, caindo de paraquedas na vida de Dona Madalena?
    Seu Terto,
    O vovô bonzinho dos meus primos, que sempre cedia a casa dele no Natal para papai Noel aparecer com nossos presentes. É assim que lembro dele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser por isso que o Tio Nena comentou que ele "era um anjo que caiu do céu". Era o vovô que toda criança pedia a Deus.

      Excluir
  14. Hayton,Você produz um estilo de leitura,que eu gosto de ler.Que maravilha.Agora,com o tranquilo Tertuliano, você excedeu.Colega exemplar.Continúe com o mesmo padrão.Como demonstrado nas duas crónicas,Dona Canô e Pelé,você sempre pensou grande.Com Dona Canô elevando o nome do BB,Qquando necessário.Com Pelé,relembrando nossa glória esportiva.Com o rei então,foi demais,Salete é fã número 1 do Roberto carlos,já leu a crônica várias vezes e não se cansa de olhar a sua foto com êle e a Magdala.Quando sairá a ediçao do "livro"?Você é um escritor.Um forte abraço caro amigo.

    ResponderExcluir
  15. Show de bola. Eita cronista "retado", como diria os baianos.

    ResponderExcluir
  16. Maravilha! Gostei demais. Tem passagens que não conhecia!!!

    ResponderExcluir
  17. Hayton, você tem razão:Segundo Mandamento,na prática.

    ResponderExcluir
  18. Tio Tonho grande homem ! Tranquilo e sábio deixou um lindo legado para toda família

    ResponderExcluir
  19. A busca incessante por cargos ou poder nem sempre são relevantes pra alguns, a felicidade é um estado de espírito muito pessoal e muitas vezes uma vida simples e próxima dos seus são mais que suficientes pra valer a vida. Sr Tertulino deve ter acertado em suas escolhas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No final de tudo, André, penso que as escolhas foram acertadas. Se não ele ainda estaria aqui entre nós espalhando sua generosidade, seu desapego às coisas materiais, seu amor ao próximo acima de todas as coisas.

      Excluir
  20. Mais um texto saboroso, Hayton. É a última vez que essa brincadeira merece virar um livro. Bancário organizado como é, você já deve estar salvando os arquivos no formato... Errei?

    ResponderExcluir
  21. Você está certo. Depois que escrever umas 150 crônicas, escolherei 50 conectadas em um mesmo eixo temático e editarei um livro por minha conta e risco. Não mais que 100 exemplares para presentear alguns amigos especiais como você, que sustentam a muito tempo que eu poderia fazer isso. Fica bom assim?

    ResponderExcluir
  22. Bela narrativa, agora com viés familiar. A cada crônica vamos conhecendo mais as boas histórias do Hayton gestor, família, companheiro, colega... e que venham muitas outras referências ������������

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É só juntar memória, imaginação e pesquisa junto a familiares que dá nisso, Gilberto. Aí bastam um laptop e uma rede de algodão numa varanda que o olho dágua começa a formar um riacho. Se um dia vira rio, só Deus sabe...

      Excluir
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  24. Belo texto! Feliz do homem que tem um genro dessa qualidade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana Sofia, no tempo certo, que dará a chance de ter um genro dessa qualidade, pra falar com carinho de sua chegada ao céu.

      Excluir
  25. Excelente!
    Viver é uma arte, poucos tem a sabedoria de um Tertuliano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esqueci de registrar que Seu Terto costumava trocar "bom dia" por "boa tarde", e vice-versa, com uma frequência acima do normal, para desespero de Dona Madalena, que se apressava em dizer às pessoas que ele era um pouco distraído. O bom velhinho só fazia sorrir, nem aí para o que os outros pensavam.

      Excluir
  26. Comentar sobre suas crônicas é um ato de satisfação, pois mergulhamos na história da vida familiar e vemos cenográfica mente todas as cenas discritas com zelo mirantânico.Parabens a meu irmão!

    ResponderExcluir
  27. Maravilha de crônica! Coisa boa de se lê! Parabéns, primo!

    ResponderExcluir
  28. Hayton despois de tanto sucesso no Bancao. Você está produzindo literatura ótima e gostosa de se ler. Parabens meu querido amigo. Precisa reunir seus escritos e editar em livro.
    Z

    ResponderExcluir
  29. que bom começar o dia com essas lembranças de Tio Tonho. lembro se muita coisa (do lenço branco, jeito calmo e sorridente, o jardim quando eu ia passar férias, os cacados ...) gratidao por guardar e compartilhar suas memórias brilhantes .

    ResponderExcluir
  30. Linda história, Hayton! Uma vida simples, por opção, retratada com carinho e arte.

    ResponderExcluir
  31. Belo texto, cuja leitura me fez lembrar do meu avô e padrinho. Batizado como Amarílio Tomaz Gomes, todos o chamavam pela alcunha de “Pai Bondom”, por sua vontade desapego que sempre demonstrou em ajudar as pessoas. Assim como seu Terto, também não pertencia a este Planeta Terra.

    ResponderExcluir
  32. Lembro-me muito bem do Terto em suas visitas a União. Sempre tranquilo e com um sorriso permanente no rosto.
    Parabéns! Suas histórias com foco na família são escritas de forma corajosa e sincera, por isso toca profundamente o coração de seus leitores.

    Um abraço do Orlando

    ResponderExcluir
  33. Crônicas maravilhosas e cheias de lembranças que nos trazem grandes emoções. Abraços

    ResponderExcluir
  34. Ler teus escritos é tocar no melhor do humano, é degustar emoções sadias, é visitar tuas memória como se nelas habitássenos. Terto aprendeu, desde tenra idade, o que de fato tem valor na vida. Muitos Não-Terto se empanturram de poder, de consumo e dão a vida pelo acúmulo de capital. Terto não. Terto aprendeu a ser o melhor para o mundo. E não o melhor do mundo. Mais Tertos por favor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse tudo, Ricardo: mais Tertos em nossas vidas, por favor!

      Excluir
  35. Que história mais linda e emocionante Hayton, me sinto honrado em ser o atual proprietário dessa casa, vou continuar o legado deixado pelo seu sogro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que maravilha, Luiz Carlos! Onde estiver, Seu Terto seguramente está muito feliz com sua decisão de preservar o quintal e o jardim que tanto carinho dele recebeu.

      Excluir
  36. É. Meu Amigo Hayton se superando a cada crônica. Muito boa leitura.

    ResponderExcluir
  37. Grande Hayton,
    Belo Texto, história que retrata a vida, traz ensinamentos, muito sentimento.
    PARABÉNS!
    Tom

    ResponderExcluir
  38. Magdala deve ter adorado esse texto, a princípio despretensioso que, aos poucos, vai se adensando e chega ao auge com um boas vindas do céu.

    ResponderExcluir
  39. Enquanto Seu Terto limpava as gavetas de sua mesa de escriturário para se aposentar em agosto de 1975, eu corria atrás da documentação para tomar posse no BB em setembro daquele ano.

    ResponderExcluir
  40. Gostei muito desa história verídica. Relembrei direitinho D Madalena e seu Terto 👏👏

    ResponderExcluir