quarta-feira, 10 de abril de 2019

Pelé não sabia de nada


A última explosão genuína de felicidade de meu pai aconteceu na sala da casa em que morávamos na Rua da Vitória, em Maceió(AL), quando juntos vimos Pelé, aos 29 anos, no auge da maturidade esportiva, receber o passe de Rivellino sobre a grande área, saltar mais alto que o zagueiro Burgnich e cabecear no canto esquerdo do goleiro Albertosi, marcando o primeiro gol da goleada de 4x1 do Brasil sobre a Itália que garantiu a conquista da Copa do Mundo 1970, no México. Era o tricampeonato mundial e a primeira copa transmitida pela TV, ao vivo,  para todo o Brasil. 

Vários torcedores alagoanos comemoravam a conquista na Praça dos Martírios em junho de 1970, em frente ao Palácio do Governo, quando o governador Lamenha Filho,  entusiasmado com a vitória e com o “carnaval” fora de época, abriu mão da homenagem que iria receber — daria nome ao estádio em reta final de construção no Trapiche da Barra — e decidiu ali mesmo batizar a obra reverenciando o melhor jogador do mundo: estádio Rei Pelé.

Meu pai e eu, aos 12 anos, pretendíamos assistir ao jogo de abertura do novo estádio "ao vivo e a cores, sem direito a replay", como se dizia naquela época. Contávamos os dias que faltavam para ver de perto o rei do futebol, mas isso acabou não acontecendo. O dinheiro que seria gasto com as entradas foi  utilizado no sustento da família  pai, mãe e nove filhos. Pelé, claro, não sabia de nada.

Quatro meses depois, em outubro de 1970, diante de quase 46 mil torcedores, o Santos FC inaugurava o Estádio Rei Pelé goleando por 5x0 a Seleção Alagoana, com gols de Douglas (2), Pelé (2) e Nenê. 

Além dele, perdemos a oportunidade única de ver em ação craques como Carlos Alberto Torres, Clodoaldo, Cejas, Djalma Dias, Joel Camargo, Ramos Delgado e Rildo, todos com passagem pelas seleções de Argentina ou Brasil.

Em menos de dois anos (maio de 1972), meu pai partiu sem nunca ter visto de perto Pelé. E eu só fui conhecê-lo em junho de 2013, na área nobre multiuso do Estádio do Morumbi, em São Paulo, quando do lançamento do projeto Brasil... um país, um mundo, exposição itinerante de acervo de peças históricas, como camisas usadas em jogos oficiais, troféus, medalhas e chuteiras, que passaria pelas 12 cidades-sede da Copa do Mundo 2014.

Pelé, mesmo sem coroa, naquele dia entrou no salão de forma soberana,  atraindo para si todas as atenções. Havia certo alvoroço, barulho surdo e confuso, onde várias pessoas falavam ao mesmo tempo, mas em voz baixa, com todo o respeito. Ali estava um herói na acepção da palavra,  alguém que mudou o rumo da história de sua nação e será sempre lembrado por seus feitos. 

Tanto pelo Santos FC, onde conquistou todos os títulos possíveis — estaduais, nacionais, sul-americanos, mundiais —,  como pela Seleção Brasileira, pela qual é até hoje o único atleta três vezes campeão do mundo, em 1958, 1962 e 1970. De quebra,  ninguém conseguiu marcar quase 1300 gols em pouco mais de 1300 partidas, números que traduzem quem foi o Atleta do Século 20 de todos os esportes,  segundo o jornal francês L'Equipe

Até nos Estados Unidos, em seu último contrato profissional com o New York Cosmos,  entre 1975 e 1977, ele atraía todas as atenções. A ponto de um certo senhor grisalho, ao recebê-lo na Casa Branca, ter a humildade de reconhecer: “Muito prazer, eu sou Jimmy Carter, presidente dos Estados Unidos. Você não precisa se apresentar. Pelé todo o mundo conhece.”

Nem tanto, Mr. Carter! Eu era parte de “todo o mundo” e, como muita gente, nem sequer havia chegado perto dele. Por isso, aproveitei alguns minutos de sua atenção naquela manhã de terça-feira no Morumbi para, numa rápida conversa ao pé do ouvido, contar o que acontecera comigo e meu pai em 1970, quando não pudemos vê-lo atuar em Maceió com a camisa branca mais famosa do planeta. Pelé, óbvio, nunca soube de nada.

Nos reencontramos no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, no final de 2013, na abertura oficial da exposição  Brasil... um país, um mundo, em Brasília. Pelé já sabia de tudo.

Como se fosse um velho amigo, o rei me trouxe uma versão nova, autografada, do manto sagrado com que encantou plateias pelo mundo afora, que guardo comigo para o resto da vida. Afinal, como dizia o falecido craque húngaro Ferenc Puskas, “o melhor jogador de todos os tempos foi Di Stefano; Pelé não era deste mundo”. 

Noutro plano qualquer do universo, meu pai certamente ficou feliz, como se estivesse na sala da casa em que morávamos na Rua da Vitória, em Maceió, há quase meio século. "O passado não reconhece seu lugar: está sempre presente", diria o poeta Mario Quintana

Eu bem queria tê-lo a meu lado quando estive com Pelé! Teria sido perfeito. Mas a vida, que sempre faz da gente o que bem quer, quis de outro jeito.


40 comentários:

  1. A veracidade dos fatos transforma a crônica em registros históricos. Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Que beleza de história Hayton!
    Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  3. São coisas que nos marcam pra sempre... ah, e eu nem assisti o final da copa de 70, me fizeram ir para um curso que durou o domingo todo...rs

    ResponderExcluir
  4. Bela crônica. Viva e fluida. Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo relato 🙏 história linda e emocionante tendo como personagem nada mais nada menos que o verdadeiro Rei do Futebol.

    ResponderExcluir
  6. FABRICIO LUCAS DI PACE10 de abril de 2019 09:23

    Impressionante como esse texto me fez viajar em um tempo onde nem era nascido �������� Parabéns pela bela crônica

    ResponderExcluir
  7. Parabéns por nos contar esses fatos! Maravilha!

    ResponderExcluir
  8. Maravilhoso, pungente e profundamente humano. São as voltas que a vida dá. Que no arrudeio nada é mais o mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem de nós, Ricardo, não teve alguém que gostaria que estivesse conosco nesses momentos especiais. Acaba ficando apenas com aquele gostinho de que faltou um pedaço. É a beleza da vida em suaves prestações diárias.

      Excluir
  9. Como corintiano, apenas lamento as maldades que ele fez por tanto tempo com meu Timão. rsrsrsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  10. "Mas a vida, que sempre faz da gente o que bem quer, quis de outro jeito".
    SEM MAIS...

    ResponderExcluir
  11. Pelé é eterno porque todos nós subimos para cabecear aquela bola. Cada um vivendo seus próprios dramas particulares, nossa glória era coletiva e abençoada por ele. Crescemos, perdemos, ganhamos, sorrimos e choramos nos intervalos de seus socos no ar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguém que escreve isso tem a obrigação de se identificar. Merecemos todos nós conhecer o poeta.

      Excluir
    2. Hahahahahahaha

      Excluir
    3. Descobri e dou crédito ao poeta das imagens: Dedé Dwight. Aquele cuja fotografia inspirou a crônica “Afinal, por que ainda sorrimos?”, publicada em 14/03.

      Excluir
  12. Grande Amigo Hayton, Era 21.06.1970, tinha 11 anos e assisti ao jogo em Porto Alegre-RS, na televisão preto e branco da sala. Bons tempos aqueles. Quanto ao Pelé, sem comentários. Como dizem, é de outro mundo. Mais uma bela crônica. Parabéns novamente.

    ResponderExcluir
  13. Tio Hayton, sem palavras sequer para comentar tão primoroso texto. Das elocuções caligrafadas, emergem sentimentos que, tenho certeza, remontam à época em que ocorreram os fatos narrados. Enfim, simplesmente encantada com as histórias compartilhadas aqui no seu blog. Parabéns e continue nos presenteando com seus textos. Bjão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Cillinha. Hoje as sobrinhas curtem. Amanhã, se Deus quiser, será a vez dos netinhos acharem graça dessas histórias do século passado.

      Excluir
  14. Maravilhosa a sua crônica e de uma simplicidade que torna a linguagem nossa amiga.
    Chorei pela sua alegria e a felicidade de ter conseguido o que pouquíssimos de nós conseguiu, por mim que sou chorão e pela asência de seu pai nesses grandes momentos seus.
    Hoje Pelé voltou ao Brasília com uma crise renal, mas muito lindo e poderoso. Nosso Rei!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, Marcos! Tomara que Pelé recupere e saia dessa o mais breve possível. Tomara que os brasileiros, sobretudo os mais jovens, reconheçam o protagonismo histórico dele ainda em vida. Como diria o sambista, depois que ele se chamar saudade... só precisará de prece e nada mais.

      Excluir
  15. Sem palavras... A vida como ela é.

    ResponderExcluir
  16. Excelente, Hayton! Mais um para a coleção dos textos saborosos!

    ResponderExcluir
  17. Pôxa!! Essa me deixou sem palavras, meu Amigo.

    ResponderExcluir
  18. Assisti ao jogo inaugural do estádio Rei Pelé (Trapichão). O detalhe é que Pelé não voltou para o segundo tempo, viajando de imediato para São Paulo onde tinha um compromisso.
    Talvez por isso, vez por outra, querem mudar o nome do estádio. Primeiramente, para Zagalo; agora, para Rainha Marta.
    Mágoas à parte, Pelé merece todas as homenagens pela projeção que deu ao Brasil.
    Parabéns, Hayton, por mais uma crônica com quem fez história.

    ResponderExcluir
  19. Pelé e Roberto Carlos, externos reis brasileiros que nunca perdem a majestade. Parabéns Hayton por saber levar grandes lembranças à tona.

    ResponderExcluir
  20. Só faltou Reginaldo Rossi, o rei do brega, pra fechar o triunvirato real. Não houve tempo.

    ResponderExcluir
  21. Exatamente.O trio maravilhoso de grande personagens na história do Brasil

    ResponderExcluir
  22. Bela crônica. Feliz os que viram o que vi em Pelé. Ficou marcada na historia aquela foto do Rei com a camisa da selecao em 70, suada, formando no peito, a marca de toda sua vida, em diadema de amor ao futebol: um coração suado. Ler essa crônica traz-me à memória inúmeras imagens da lenda, que era carinhosamente chamado de "Ele" pelo saudoso narrador Walter Abrão. Parabéns pelas histórias e privilegio8de ter estado, com o seu pai, ao lado do Rei. Quem pode dizer que nao ?

    ResponderExcluir
  23. Beleza, Marcos! Ao recordar o saudoso Walter Abraão você me fez lembrar das transmissões do não menos saudoso narrador Geraldo José de Almeida, falecido em 1976, que usava expressões capazes de nos transportar para a beira do campo. Ao ver um lance mais espetacular de Pelé, dizia: “que bola-bola!”. Em qualquer jogada mais perigosa perto do gol, apelava: “por pouco, muito pouco, pouco mesmo”. E ao narrar um gol, gritava pedindo aos telespectadores: “olha lá, olha lá, olha lá no placar!”

    ResponderExcluir
  24. Que histohis Hayton! Gostei demais de saber desses fatos! ParabenP

    ResponderExcluir
  25. Excelente Texto, como sempre, a história traz vida, reflexão.

    ResponderExcluir
  26. O texto me fez lembrar que em 1970 foi a primeira copa transmitida a cores e que meu pai que era técnico de rádio e televisao
    instalou a primeira televisao a cores em Garanhuns (PE) na casa de "José da banana" o que foi um sucesso.

    ResponderExcluir
  27. Gosto demais qdo vc escreve sobre sua vida.
    Detalhadamente perfeito.

    ResponderExcluir
  28. Hayton é um cronista da realidade e da verdade (não cria fatos)

    ResponderExcluir
  29. Teclei inadvertida e antecipadamente.

    ResponderExcluir