quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Memórias de meu cárcere

Como não beber dessa bebida amarga? Parece fácil acordar às quatro e meia da madrugada e caminhar solitário no silêncio de meus barulhos, por uma hora, a tropeçar aqui e ali nas quinas que se metem no meu caminho entre a cozinha e a varanda onde o vento e os primeiros sinais de luz juram que a agonia vai passar. 


Parece simples trocar o noticiário da hora pelas canções de ontem, a engolir minha dose de alienação sobre o horror instalado no desmantelo da hora. Prefiro ouvir Simone cantar Aldir, a dizer que posso pegar aquele feijão preto, pôr meia dúzia de latas pra gelar e mudar a roupa de cama que tudo volta já.

Parece fácil preparar todo dia a própria comida sem despencar na rotina de sal, gordura e limão ou vinagre, no forno ou no fogão, depois de limpa a última ruga da folha de alface como se ali cochilasse o monstro insaciável que pode acabar com tudo em duas ou três semanas.


Faz de conta que é natural ver Magdala resignada, sem botar os pés na calçada há sete meses – nem mesmo para afogar nossos netos de abraços e beijos salgados de lágrimas –, a compartilhar o mesmo trajeto que fiz minutos antes para depois, na varanda, longe das franjas de espuma que escorrem na praia, pegar uma cor ou fazer um cabelo bonito pra eu notar. 

 
Ou vê-la disposta a dar uma geral, fazer um bom defumador, encher a casa de flor para, de tardezinha, os olhos boiarem diante da cena do filme que assistimos, ainda que a tecla pause nos conceda a trégua de poder ir ao banheiro lavar o rosto ou à cozinha em busca de uma fruta qualquer. 

 

Parece simples deixar a escuridão da caverna uma vez por semana, em liberdade provisória por meia hora, apenas para manter vivo o motor do carro, enquanto uns, de máscaras ou não, passeiam pelas ruas fingindo não sentir medo de ver emergir o monstro que engoliu mais de 150 mil irmãos.

 

Parece fácil ver tantas crianças fora da sala de aula, cujos pais, prisioneiros de suas próprias incertezas, não sabem como, sem os dilemas do convívio na escola, lhes ensinar os deveres de casa em matérias básicas como colaboração, generosidade, compaixão, resiliência e solidariedade. 

 

Ou ainda  em meio a tanta mentira, tanta força bruta nas redes antissociais! – deixar de ir à padaria, ao cinema, ao bar, ao supermercado ou ao restaurante, certo de que local onde se aglomeram incautos é praticamente impossível não haver um infectado sequer, ainda que sem sintomas.

 

Parece fácil, simples. Não é.

 

Ainda bem que posso me deitar mais cedo quase toda noite, não para dormir o sono represado dos madrugadores, mas para mergulhar nas águas de oceanos nada pacíficos já navegados por velhos lobos-do-mar como Braga, Cony, Ruy, Sabino, Ubaldo e Verissimo.  

 

Posso ainda, inspirado nas viagens desses marujos fabulosos, mesmo sem contato físico com o mundo lá fora, que já cheira de novo a fumaça de óleo diesel, escrever meia dúzia de palavras e queimar a paciência dos que ainda prestam atenção naquilo que tenho a dizer.

 

Sei que daqui a vinte anos talvez não me arrependa das coisas que fiz, mas estou seguro de que posso me arrepender das que deixei de fazer. Sei que, por vezes, optei por não mexer no roteiro do filme de minha vida, mesmo sabendo que ninguém descobre novos caminhos – apesar de Google Maps, Waze etc. – sem mudar de direção. 

 

De fato, talvez o mundo não seja pequeno nem seja a vida um fato consumado, como disse Chico. Enquanto não chega o habeas corpus que afastará de mim esse cárcere, preciso refletir sobre como pegar os novos ventos que sopram e velejar bem longe do meu porto seguro até descobrir onde tudo isso vai dar. 


Parece fácil, simples. É, parece...

56 comentários:

  1. Parece Simples, realmente não o é. Tempos de resiliência, acompanhada de questionamentos, inquietações....resta acreditarmos, amanhã vai ser outro dia, vai passar.........Vamos que Vamos!!!

    ResponderExcluir
  2. Mais uma ver a crônica se transforma numa autobiografia de muitos. Essa realidade nos alcança. Recentemente minha esposa conversando ao telefone com uma sobrinha criou um mote: "Quem escapar da COVID/Vai morrer de solidão." Encerro com um mote que criei em Marabá há alguns anos: "Logo após a liberdade/Virá um novo horizonte."

    ResponderExcluir
  3. Ademar Rafael Ferreira

    ResponderExcluir
  4. Parece fácil mas sei que não é!
    Mas enquanto esperamos a permissão para celebrarmos a Vitória da cura, preparar-mos nossos espíritos para a grande fulia tornandoas simples e fácil como suas belas palavras nessa linda crônica poética.

    ResponderExcluir
  5. Tudo Passa Chico Xavier

    Tudo passa...

    Todas as coisas na Terra passam.
    Os dias de dificuldade passarão...
    Passarão, também, os dias de amargura e solidão.

    As dores e as lágrimas passarão.
    As frustrações que nos fazem chorar... Um dia passarão.

    A saudade do ser querido que está longe, passará.

    Os dias de tristeza...
    Dias de felicidade...
    São lições necessárias que, na Terra, passam, deixando no espírito imortal
    as experiências acumuladas.

    Se, hoje, para nós, é um desses dias,
    repleto de amargura, paremos um instante.
    Elevemos o pensamento ao Alto
    e busquemos a voz suave da Mãe amorosa,
    a nos dizer carinhosamente: 'isto também passará'

    E guardemos a certeza pelas próprias dificuldades já superadas que não há mal que dure para sempre,
    semelhante a enorme embarcação que, às vezes, parece que vai soçobrar diante das turbulências de gigantescas ondas.

    Mas isso também passará porque Jesus está no leme dessa Nau
    e segue com o olhar sereno de quem guarda a certeza de que a
    agitação faz parte do roteiro evolutivo da Humanidade
    e que um dia também passará.

    Ele sabe que a Terra chegará a porto seguro
    porque essa é a sua destinação.

    Assim, façamos a nossa parte o melhor que pudermos,
    sem esmorecimento e confiemos em Deus,
    aproveitando cada segundo, cada minuto que, por certo, também passará.

    Tudo passa...
    exceto Deus.

    Deus é o suficiente!
    Chico Xavier

    ResponderExcluir
  6. ANTONIO CARLOS CAMPOS14 de outubro de 2020 06:18

    Realmente não deve ser fácil ser um prisioneiro no Paraíso. É assim que ainda imagino Maceió após 25 anos de ter me mudado daí. Na minha família continuamos juntos, sem seguir o mantra do fique em casa. Trabalhamos diariamente, passeamos e fazemos nosso churrasquinho todo fim de semana. De diferente só as ruas mais vazias, algumas pessoas enclausuradas e a máscara na cara de todos. Não nos contaminados nem contaminados ninguem. Não sabemos se estamos certos ou errados, mas quem está enclausurado também não sabe. Tentamos manter nossa sanidade mental mais ou menos sob controle. De saudoso mesmo só os jogos de futebol com os estádios cheios e assistir aos telejornais. Os dois se acabaram.

    ResponderExcluir
  7. Belíssima reflexão! Você está seguindo de perto os mestres citados (o que não me parece fácil rs). Ótima crônica!

    ResponderExcluir
  8. Descobri que o lar não é uma varanda e uma rede para balançar. São os reencontros com nossos anjos, pais, irmãos,família. Nosso lugar seguro e sagrado.
    Logo volto pro meu aconchego
    Trazendo na mala bastante saudade
    Querendo um sorriso sincero
    Um abraço para aliviar meu cansaço
    E toda essa minha vontade.

    ResponderExcluir
  9. Que texto fantástico, com uma visão super poética e realista disto tudo que nos ocorre. As contradições entre o prazer da caverna e o assombro dos horizontes de pessoas e lugares infinitos, foi descrito com maestria. Um texto para ilustrar qualquer boa obra referencial com crônicas deste surreal cotidiano.

    ResponderExcluir
  10. Excelente crônica amigo! Tempos difíceis, de reflexão e valorização de coisas simples. Tudo passa e sairemos desta mais fortalecidos e determinados a viver com mais intensidade ao lado dos amigos e familiares.

    ResponderExcluir
  11. Li o seu relato e o meu sentimento é exatamente o mesmo além mais um pouco passei a pandemia 4 vezes indo e vindo só hospital. Onde estou hoje. Ainda bem não deu de cara com o indivíduo intruso a me amedrontar. Talvez hoje irei pra casa com o Home Care fugindo quem sabe dele. Um abração desta amiga que sempre teve um aspecto por vocês. Dayse Lanzac

    ResponderExcluir
  12. O corretor não escreve o que eu escrevi. Safado. Dayse Lanzac

    ResponderExcluir
  13. Difícil se aguentar,mas Deus nos dar força para seguir em frente.

    ResponderExcluir
  14. Descobri que esses meses de clausura está testando a paciência de muitos... Pessoas se conscientizando de que o destino NÃO está em nossas mãos. Só nos resta ESPERAR e CONFIAR no criador de todas as coisas...

    ResponderExcluir
  15. Todos os dias digo uma frase de Chico Xavier"tudo passa, tudo vai passar". Dayse Lanzac.

    ResponderExcluir
  16. Foi como uma barragem que rompeu e virou uma crônica lamento...

    ResponderExcluir
  17. ANTONIO CARLOS CAMPOS14 de outubro de 2020 07:25

    A epidemia do século não é o COVID-19; é a TV, que não se limita mais a divulgar as noticias, mas dar sua própria interpretação a elas. Além de selecionar aquelas que melhor atende aos seus interesses. Nem sempre verdadeira; quase sempre falsa.

    ResponderExcluir
  18. Espetacular sua crônica de hoje!
    Ela tem muito de mim e, certamente, de todos nós. Admiro essa sua habilidade e capacidade de revelar um pouco de cada um de nós todas as quartas-feiras.
    Tivesse eu essa competência escreveria tudo exatamente igual. Hoje cada palavra parecia ter sido escrita por mim.
    Hoje li o desabafo da alma, a confissão da solidão de quem sente saudade...

    ResponderExcluir
  19. Hayton, como ninguém vc descreveu o sentimentos de milhares de cidadãos conscientes desse país. Parabens pelo texto

    ResponderExcluir
  20. Momento angustiante. Tudo passará, eis uma certeza. Momento de grande aprendizado para a humanidade, outra certeza. Grande crônica.

    ResponderExcluir
  21. Você traduziu em palavras todo sentimento que, acredito, está enclausurado em cada um de nós, que se sente refém a espera do pagamento de um resgate, para poder dar de cara novamente com a liberdade das coisas mais simples, que, até então, passaram despercebidas. Excelente reflexão!

    ResponderExcluir
  22. Tudo na vida é aprendizado. Tenho certeza que será mais um capítulo vivido e novas histórias serão contadas na sua sabedoria de viver. Força, foco e fé.

    ResponderExcluir
  23. Tá respirando? Tase mexendo? Então tá bom!

    ResponderExcluir
  24. Os sentimentos dos seres que se dizem humanos são difusos. Às vezes, profusos. Outras, confusos. Pro meu gosto, entre tantas crônicas belas que você escreveu, essa é uma das melhores. Cada palavra no seu exato lugar, emprestando seu exato e profundo sentido. Prosa que virou poesia.
    Você já brincou com muita seriedade e pertinência com a letra de Cálice, mas não resisto a tentar traduzir como me chegou teu lamento poético:

    Como é difícil acordar calado
    Se na calada da noite eu me dano
    Quero lançar um grito desumano
    Que é uma maneira de ser escutado
    Esse silêncio todo me atordoa
    Atordoado eu permaneço atento...

    Acho que os mestres que você citou assinariam de boa a tua crônica!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O carinho de seu comentário, Riede, me encoraja a elevar o sarrafo e tentar saltar cada vez mais alto. Valeu!

      Excluir
  25. Sem duvida que é um período que testamos a nossa resiliência da forma mais profunda, o que me acalma é a sensação e a convicção de que ficar em casa é a decisão mais correta, verdadeiro cárcere são para os irmãos que estão agonizando nos hospitais. Que Deus nos salve!

    ResponderExcluir
  26. Lembrei m8nha mãe,irresignada a vida em apartamento, quando nos visitava em Recife: "Não sei como conseguem viver nessa gaiola!"
    Ela, sem saber, vivia os efeitos de uma pandemia interior.

    ResponderExcluir
  27. Lembrei m8nha mãe,irresignada a vida em apartamento, quando nos visitava em Recife: "Não sei como conseguem viver nessa gaiola!"
    Ela, sem saber, vivia os efeitos de uma pandemia interior.

    ResponderExcluir
  28. Lembrei m8nha mãe,irresignada a vida em apartamento, quando nos visitava em Recife: "Não sei como conseguem viver nessa gaiola!"
    Ela, sem saber, vivia os efeitos de uma pandemia interior.

    ResponderExcluir
  29. Tambem me sinto assim...ontem, depois de 7 meses, iniciamos a volta para ocupar novamente a sede do banco Patagonia, aquí em Buenos Aires, com todos os cuidados possiveis...o banco, desde março, permaneceu 100% operativo com os colaboradores trabalhando remotamente. As agências, em esquema de funcionamiento emergencial, sempre estiveramabertas. Essa "nova realidade" de trabalho remoto, em massa, trará mudanças profundas na forma dos bancos se organizarem. Já veremos.

    Meu sentimento foi um misto de alivio e preocupação... paradoxo, mas foi exatamente assim. Alivio pela fulgaz sensacao de volta a velha rotina, por conservar o emprego em meio a crise económica mais aguda das últimas décadas aquí, por estar vivo e bem de saude, mas tambem preocupado com a sensação do novo normal, vivenciado nesta cuarentena, que foi se sedimentando ao longo do día. Como que reafirmando que não voltaremos mais ao "normal", à velha rotina saudosa que insiste em nos ilusionar...o novo normal tampouco esta claro pra mim, apesar de algumas mudanças, principalmente no cuidado pessoal e do outro, na forma de trabalho a distancia e de ficar o tempo todo dentro de casa, ja terem se tornado uma rotina.

    Preocupação tambem com a pobreza, material, que vai crescer muito por aqui. Mais que preocupação, na verdade me deu pena de ver a enorme quantidade de pequenos e medios negocios, comercios, sustento de muita gente, se definhando, vitimas do virus e da crise económica que se torna mais profunda a cada dia. Aquí, o virus machuca mais uma economia ja fragilizada.

    Enfim, hay que seguir adiante, enfrentar as incertezas e construir um novo caminho...com cuidado e carinho pelos próximos, pelos nossos, que cada día revelam-se mais importantes...cuide-se e cuide dos seus...ainda temos muito chão pela frente...

    Como diría o poeta Belchior...

    Presentemente eu posso me considerar um sujeito de sorte
    Porque apesar de muito moço me sinto são e salvo e forte
    E tenho comigo pensado
    Deus é brasileiro e anda do meu lado
    E assim já não posso sofrer no ano passado
    Tenho sangrado demais, tenho chorado pra cachorro
    Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro...ano passado eu morri mas esse ano eu não morro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Delano Valentim, saudades suas e das suas! Cuide-se e cuide delas na Buenos Aires querida de hoje. A vida como ela é: uma hora quer samba, outra canta bolero e dança tango ao entardecer.

      Excluir
  30. Correlações bem feitas música x cotidiano. Aliás, a música, para ser boa, além da harmonia melódica, tem que haver a identificação no nosso dia-a-dia. Parabéns!

    ResponderExcluir
  31. "Crônica maravilhosa. Uma prosa cheia de som e de fúria, cheia de música, cheia de lirismo, poesia na veia, copo de cólera, cálice de vinho tinto, de "afasta de mim este cale-se"." (Marcelo Torres)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Partindo de um cronista do seu tamanho, meu caro Marcelo Torres, fico com a impressão de que peguei na veia e acertei na forquilha. Que me venham novos gols!

      Excluir
  32. Você retratou o drama que todos passamos, o medo da foice da morte que parece estar em todo lugar; mas a guerra contra o mal invisível deve ser combatida com a coragem daqueles que foram ao front e garantiram a segurança material da população civil, heróis modernos cujas armas foram utilizadas não para matar, mas para salvar.
    Hayton, sua crônica irada foi bastante amenizada pelas figuras de linguagem que você emprega com maestria, metáforas, sinédoques, catacreses, elipses, zeugmas, antíteses, paradoxos, hipérboles e até ironias ou antífrases; muitas vezes utilizando, para isso, seu grande conhecimento das letras dos grandes mestres da música popular brasileira. Parabéns!

    ResponderExcluir
  33. Excelente descrição, representa os nossos sentimentos, neste momento de reclusão. Ainda com forças, mas com dias de exaustão.

    ResponderExcluir
  34. Foi so um teste. Recorri ao meu filho de 15, já que não conseguia remeter os comemtarios, o que farei em relaçao ao proximo conto.

    ResponderExcluir
  35. Assim mesmo o meu sentimento, Hayton. Foi e está sendo um tempo de reflexão, de reposicionamento, de tristeza por amigos que perdemos. Aos poucos,com todo o cuidado que uma pandemia requer, tentando começar a considerar viver o novo "normal".

    ResponderExcluir
  36. Por isso que todas as vezes faço questão de mandar um tchau por essa janela.
    Parece, mas... Não tá não fácil!

    ResponderExcluir
  37. caminhar solitário no silêncio de meus barulhos,..
    Perfeita essa apresentação do momento que devemos viver, sem perder a esperança de um dia melhor. Creio que esse dia está mais próximo que imaginamos.
    Parece fácil, simples. É, parece...mas a vitória é certa.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  38. Meu amigo, Hayton, você se supera a cada crônica! As sutilezas e a perspicácia com que vc detecta e trabalha com palavras as situações têm uma leveza única, ainda que o assunto seja tão pesado como esse. Qualquer dos nossos maiores cronistas assinaria embaixo do que você escreveu. Já considero você um deles, dos maiores...!

    ResponderExcluir
  39. Um belo relato, daquilo que muitos de nós, quietos estamos vivendo. Vamos passar por isso, para mais adiante podermos contar tudo, que nesta pandemia, de bom ou de ruim aconteceu. Ainda não acabou.

    ResponderExcluir
  40. Fácil não é realmente amigo, mas temos que levar com paciência para não tornar pior. EXCELENTE! Para mim superou todos pois me levou a uma reflexão nunca feita por mim.

    ResponderExcluir
  41. Definiu magistralmente o momento por que todos passamos, com um toque de poesia e realismo tupiniquim dos cronistas que te inspiraram e retratam o nosso dia a dia!!! Saboroso de ler!!!

    ResponderExcluir
  42. Mais uma excelente crônica, retratando perfeitamente nosso tempo, que certamente tornar-se-a histórico. Queira Deus que possamos contar para nossos netos como sobrevivemos, física e psicologicamente.

    ResponderExcluir
  43. O nosso UMOR, outro gênio da raça, resumiu bem aí acima - qualquer cronista consagrado assinaria com satisfação e honra esse texto, e você seguramente é um deles.
    Tenho lido à exaustão tudo que se publica sobre a COVID 19 - desde textos com informações científicas até escritos bem humorados e até irônicos.
    Ninguém, em lugar nenhum produziu algo tão brilhante como você fez aí, provocando em cada um de nós uma forte reflexão - e o melhor e mais inusitado, em forma de bela poesia.
    Ninguém consegue mais imaginar até aonde você vai, seu horizonte é o infinito.

    ResponderExcluir
  44. Crônica introspectiva e que no faz pensar. Parabéns por mais este excelente texto.

    ResponderExcluir
  45. Maria de Jesus Almeida
    Parabéns Hayton!
    Você consegue transformar nossa dura realidade em uma leveza incrível.
    Forte Abraço.

    ResponderExcluir
  46. Este está sendo um ano de muito distanciamento para todos mas, ao mesmo tempo, de nos mostrarmos e nos conhecermos mais, de nós aproximarmos mais de alguns. Seus textos magníficos nos permitem receber essa cortesia e viver essas histórias.

    ResponderExcluir
  47. É, meu amigo, a alma padece. Pagamos o preço do que não sabemos de onde veio. Tomara que esse calvário recluso dure pouco. Confesso que minha máscara já está se tornando uma focinheira... a paciência já está curta. Parece fácil...

    ResponderExcluir
  48. Mais uma bela crônica Hayton. Como disseram acima Você se supera! 👏👏👏👏👏👏👏👏
    Abs

    ResponderExcluir
  49. Na certeza que tudo vai passar . Seguimos firmes e fortes . Como foi descrito depois de algum tempo vcs não vão se arrepender de todo esforço

    ResponderExcluir
  50. É parece......
    Parabens Hayton por descrever con tanta beleza linguistica este momento que estamos vivendo.Sua narraçao faz nossas dificuldades parecerem mais facies.

    ResponderExcluir