quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Entre compadres

A cumpadragem é coisa muito séria por aqui, como diz o poeta Jessier Quirino. Muito mais que o jeito pelo qual uma pessoa se torna aparentada de outra através do ritual católico do batismo, esse parentesco por afinidade chega a ser maior que laços de sangue porque compadre é escolha; parente, não.

Um caso sequer não me lembro de um amigo convidar outro para batizar o filho e o escolhido arranjar desculpa para escapar do compromisso, do tipo: “Não sei se vou estar na cidade no dia...” “Quem sabe é melhor você chamar alguém da família...” Se isso acontecer, a encrenca é feia. É desfeita a ser resolvida a murros e tabefes, com direito do ofendido de invocar a legítima defesa da honra.  


Chicó Neto e João Grilo Neto – descendentes dos andarilhos da Taperoá dos anos 1950, de "O Auto da Compadecida" –, amigos desde as primeiras letras e números, eram bancários, quarentões, além de compadres e vizinhos no bairro de Manaíra, na orla de João Pessoa, até o começo do ano passado. Tão unidos que, sem o menor pudor, um dia João bateu na porta de Chicó com um pedido de risco cabeludo:
– Cumpade, me empreste o seu carro novo. Preciso dar um pulinho em Campina Grande e o meu tá na oficina desde a semana passada.  
– Opa, cumpade, tá aqui a chave! Mas tenha cuidado, viu? Dei só a entrada e ainda nem paguei o seguro.
– Não se preocupe! Bem cedinho, devolvo lavado e de tanque cheio.

Tarde da noite, ao retornar, João notou que esquecera o controle remoto com que abriria o portão da garagem. Parou então numa vaga no estacionamento público em frente ao apartamento de Chicó, que a tudo assistia pela brecha da persiana. Foi só João apagar as luzes que Chicó desceu com a chave reserva e reposicionou o carro uns 200 metros adiante. No dia seguinte, João mal pulou da cama e já foi devolver o veículo. Quase infarta!
– Por Deus, cumpade, eu juro que deixei o carro bem aqui! – choramingava apontando a vaga com outro carro. 

Chicó, derretendo de rir, vibrava com o troco. Troco porque, quatro meses antes, viajara em férias com Ariana e Suassuna (esposa e filha) e ao compadre confiou as chaves do apartamento. Chicó é daqueles que guardam por décadas cópias de faturas quitadas de água, luz, gás etc. Morria de medo de vazamento de torneira ou descarga. Seu freezer, inclusive, um primor de organização: camarão, lagosta, peixe, tudo embalado com etiqueta identificadora. 

No primeiro sábado, João promoveu uma farra memorável com algumas amigas e amigos. Depois de beberem e fumarem de tudo, zeraram o estoque do freezer. E ainda tiveram o descaramento de substituir o conteúdo das embalagens por pedaços de macaxeira, batata-doce e rodelas de inhame. 

Ao retornar cheio de fatos, filmes e fotos, Chicó decidiu oferecer um jantar aos amigos, inclusive o compadre. Minutos antes dos convivas chegarem, surtou ao descobrir o que havia descongelado com todo cuidado:
– Mulher! O miserável ainda escreveu nos sacos:  Macaxeira ao thermidor, Batata-doce gratinada, Inhame em rodelas com alcaparras... 

Voltando ao ataque de pânico de João com o "sumiço" do carro novo do compadre, semanas depois Chicó e Ariana lhe fariam uma breve visita, levando a afilhada para pedir a benção do padrinho. João, que nunca foi de se preocupar com visitas inesperadas, improvisou o baião-de-dois com as sobras de carne-de-sol e feijão-de-corda do almoço, enquanto, na sala, Chicó amolecia o pescoço com uma cerveja gelada. 

Comida na mesa, João senta-se em frente ao amigo e sugere: 
– Afrouxe a gravata, cumpade, tire os sapatos... – os quais, sorrateiramente, seriam trocados por um par quase idêntico. Ocorre que Chicó calça 41 e João, 38. Quando, após o jantar, a bexiga obrigou Chicó a procurar o banheiro, os pés se recusaram a entrar nos sapatos. 
– Mulher, meus pés incharam! Acho que a bebida tá me fazendo mal...

E sem videogame para matar o tédio de criança nessas visitas, a afilhada, sem querer, azedou o baião-de-dois para quatro:
– Padrinho, por que o pessoal do prédio vive dizendo que sou a sua cara?
– Esse povo fala demais, filha...

Duas semanas adiante, João seria transferido para Recife, seguro de que lá teria melhores oportunidades de crescimento profissional. Como nunca gostou de despedidas, foi-se num piscar de olhos com a facilidade dos solteirões.  

Bem próximo ao Natal, Chicó e Ariana vão ao Recife e, por acaso, reencontraram João numa mesa às margens do rio Capibaribe, tomando chope com frango à passarinho no bar O Santo e a Porca, que fica na Casa Forte, bairro de atmosfera bucólica na Zona Norte da capital pernambucana. 

Algumas tulipas depois, num daqueles silêncios que fazem parte de toda conversa entre velhos amigos e compadres, João confere (a incerteza é a mãe de todas as insônias):   
– Nem toda besteira pode tirar o sono e acabar uma cumpadragem séria como a nossa, né cumpade?
– É verdade... – consente Chicó.

Calada até ali, Ariana encosta a cabeça no peito do marido, boceja e arremata:
– Vamos? Tô morta...

38 comentários:

  1. Há! Assistimos tantas vezes “O Auto da Compadecida" que lendo o texto “escutei” o sotaque de Chicó. Texto sensacional!

    ResponderExcluir
  2. Já antevejo situações... curiosas?... no futuro, quando esse autor resolver contar tudo o que viu e ouviu no passado. Botem as barbas de molho!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o Texto. Mas no meu tempo, comer Comadre era Pecado Mortal. O Padre de Diamante condenava o pecador a 100 Pai nosso e 200 Ave Maria.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Peraí, Franco Moura, ninguém sabe ao certo. Como disse João, “o povo fala demais”. A incerteza continua sendo a mãe de todas as insônias. Vai que...

      Excluir
  4. Muito bom o texto, da gosto de ler e relembrando o “ Auto da Compadecida” fica ainda melhor.
    Realmente ser compadre é uma demonstração de consideração e respeito, mas, tem alguns casos que são deslizes, como dizem , “ só Jesus na causa”.

    ResponderExcluir
  5. Acho que essa "cumpadragem" subiu no telhado. Ótimo texto para tratar também da cultura nordestina.

    ResponderExcluir
  6. Outro fato que fazia estragos entre os compadres era negar aval. Vi muitos afilhados ficarem sem os padrinhos.

    ResponderExcluir
  7. Muito Bom! Cumprade no Nordeste é o irmão que escolhe em vida, para até no caso de infortúnio, assumir as responsabilidades. No caso, foi além.

    ResponderExcluir
  8. Mais um texto show de bola, Hayton.

    ResponderExcluir
  9. Respostas
    1. Pena que nunca tenha existido o boteco “O Santo e a Porca”, nome de uma obra clássica do gênio.

      Excluir
  10. Mais uma crônica "TOP"! Rindo aqui com as " suspeitas" do compadre...

    ResponderExcluir
  11. Ariana e Suassuna: essa dupla de mãe e filha foi demais... kkkk. Mais uma divertidíssima crônica!

    ResponderExcluir
  12. Mais uma boa crônica para amenizar com risos o meio da semana. Coincidentemente, estou lendo uma das obras do grande Ariano Suassuna e aqui relembrando de tantas outras.

    ResponderExcluir
  13. A afilhada era parecida porque, sabe como é, né? Compadre é tão mais compadre que parente que até as feições se aproximam, kkkkkkkkkk. Adorei esse enredo matreiro.

    ResponderExcluir
  14. Hayton Rocha acaba de lançar a nova Capitu! Kkkkk
    Maravilhoso texto! Tua imaginação está tão fértil que, além de acreditar no xingador de velório de uma crônica passada, já estava me preparando pra visitar o boteco O Santo e a Porca! Kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se a criação do boteco foi uma licença ficcional, o endereço existe. Ali morou seus melhores anos o imortal Ariano Suassuna.

      Excluir
  15. Olha que esse boteco "O Santo e a Porca" pode mesmo ser um sucesso nacional, hein? Quiçá internacional

    ResponderExcluir
  16. Quando dois “sacanas” como esses se juntam, tudo pode acontecer, até mesmo envolvendo as benditas “Ariana e Suassuna”. Belo causo!

    ResponderExcluir
  17. Mais uma pérola! Muiiiito boa. Já fico na expectativa da próxima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai é a minha Comadre, kkkkkk
      Entretanto, sem nenhuma relação com o caso em questão.

      Excluir
  18. Blz, Hayton! Tá parecendo que vc tem potencial e criatividade prá continuar o auto do mestre! Bela crônica.👏

    ResponderExcluir
  19. Ariana e Suassuna, lembrei do bloco carnavalesco olindense Arriando Sua Sunga, duas homenagens hilárias ao querido autor paraibano.

    ResponderExcluir
  20. Uma das mais tradicionais formas de "cumpadragem" do São João de minha infância era a de pular fogueira, levada muito a sério. Principalmente pelas "comadres" que evitavam namorar os "compadres".
    Hayton, cuidado para não se aprofundar muito em seu escritos, senão leitores como eu não conseguirão compreender o que se esconde nas entrelinhas.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  21. Essas "armações" como a do carro, Lembra demais um grande amigo que tenho. Tem uma criatividade interminável, que volta e meia, algum amigo próximo é vítima..... rsrsrs

    ResponderExcluir
  22. Muito bom! “Cumpadre” é irmão do ❤️ 👏👏👏

    ResponderExcluir
  23. Mais um texto para a categoria dos indeléveis.
    Agora, quem conhece esse seu ar quase sacerdotal, nunca vai imaginar o quanto de sonsidão sua alma hospeda.
    Qualquer dia você vai ser obrigado a postar antes do início de seus textos, logo após o título - "esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança..." -, sob pena de começar a vir os processos com cobrança de idenização...

    ResponderExcluir
  24. Meu caro escritor não há como deixar de dizer que você continua nos presenteando com suas crônicas. Sempre estão atuais mesmo que a narrativa se refira a personagens que já nos antecederam.

    ResponderExcluir
  25. Agostinho Torres da Rocha Filho12 de outubro de 2020 09:34

    Reza o ditado popular que cumpadre é para acudir outro, especialmente quando se trata das questões mais íntimas. O texto retrata com muito bom-humor e criatividade a instituição do cumpadrio nordestino. Coincidência ou não, foi publicado na véspera da data em que se comemora O Dia do Nordestino. Parabéns, meu irmão!!! Mais uma ótima crônica.

    ResponderExcluir
  26. Compadre e comadre sempre foi assunto de intriga... excelente crônica. Mas vale a história do compadre que chegou de repente e propôs pra comadre: fazer aquilo ou tomar café... e a comadre falou que não tinha pó... cada rolo. Mas às vezes compadre é igual passarinho: cai na arapuca e depois foge.

    ResponderExcluir